segunda-feira, 15 de novembro de 2010

Japão não é destino de criança (com menos de 7 anos!), por Joana Thimóteo

Em outubro de 2007 resolvi acompanhar meu marido em uma viagem ao Japão. Antonio, meu filho, de 4 meses na época, foi também. Achei a idéia genial. Fazia um pouco mais de um ano que eu morava em Pequim e pensar em já levar meu filhote para conhecer um país tão especial era maravilhoso.

Como era apenas a segunda viagem do Antonio (a primeira tinha sido do Rio para Pequim, onde morávamos), eu estava bastante insegura. Não sabia o que ia encontrar e ouvia diariamente meu marido dizer que “o Japão era primeiro mundo, que eu não precisava levar nada, lá encontraríamos TUDO o que precisássemos”.  Se ingenuidade matasse hoje eu estaria morta. Acreditando no Pedro, que até então só tinha ido ao Japão como jornalista e jamais como pai, eu não levei praticamente nada. Até porque os preços de excesso de bagagem são caríssimos no Japão. Um quilo extra é uma fortuna. 

E foi de forma compacta que cheguei ao meu destino. Logo na chegada perguntei a equipe de trabalho do Pedro onde poderia comprar umas coisinhas básicas: leite NAN, fraldas Pampers, Johnson ou Huggies, cremes anti-assadura e um esterilizador de mamadeira (tinha levado um pouco de tudo, mas queria saber onde poderia me reabastecer). Para minha total surpresa ninguém fazia idéia do que eu estava falando. Neste momento tive a certeza que alguma coisa não estava bem.  

Olhei para o Pedro (com aquele olhar que só uma mulher sabe dar) e pensei, "quero ir para casa". Pedro, tentando me acalmar, sugeriu que eu fosse até uma famosa loja de departamento, a Takashimaya (que mais parece com o Corte Inglês, a Harrold’s ou o Bloomingdales, mas nada parecida com um supermercado ou farmácia). Claro que não encontrei nenhum dos produtos que procurava. Nada. Fiquei desesperada. Não achei em lugar nenhum pela rua. Nem em farmácias, mini-supermercados, nada. O que o Antonio, de 4 meses, ia comer? Era o que eu pensava enquanto as horas passavam. 

Consegui que um amigo me levasse até um supermercado longe, bem longe. Com muita paciência achei alguns produtos que eu precisava, mas tudo na versão japonesa. Fraldas japonesas, leite japonês, e pasmem, eles não usam creme anti-assadura. Eu tava tensa e não sabia se o leite serviria, já que não dizia idade nem nada na embalagem. Respirei fundo, dei o leite e rezei. Muito. Deu tudo certo. Antonio não reclamou, não teve alergia e a viagem continuou (esqueci de contar que as fraldas eram péssimas, vazava xixi toda hora).

O que eu aprendi a partir desta experiência foi sempre antes de viajar dar uma pesquisada prática no destino escolhido. Entro sempre num site de um supermercado do local e vejo com quais produtos eles trabalham. Uso as tabelas para encontrar as similaridades e às vezes até consulto o pediatra. 

Leite, fralda, e coisas básicas, passei a levar em maior quantidade, assim tenho 3 ou 4 dias para me entender com o lugar e às vezes, quando sinto que o lugar não é tão simples assim, levo leite em sacos Zip Lock (são perfeitos para isso) para toda a viagem. São regrinhas básicas que me ensinaram a ter viagens mais prazerosas.

Mas voltando ao Japão, o país é muito legal, mas para adulto. Crianças muito pequenas não são bem-vindas. Tive problema em restaurante (pelo barulho e bagunça que o Antonio fazia), no trem (pois eles queriam silêncio absoluto principalmente nas melhores classes), em alguns hotéis (pois reclamavam do choro noturno) e no metrô (pois poucas estações têm elevador para os carrinhos. Tive que subir e descer muitas escadas com o carrinho na mão).

Apesar de ter gostado do país e, principalmente, adorei Tóquio, não levaria novamente meus filhos durante um bom tempo. Acho que a partir dos 7/8 anos a cidade e o país se tornam incríveis, mas antes disso não é nada acolhedor. 

Em Tóquio, fomos a Disney e ao zoológico UENO (que tem vários ursos panda). Bem legal esse passeio. Também tem a Casa da Música que é bem bacana. Caminhar por Guinza é uma delicia com criança, bairro das lojas e dos restaurantes, mas com vida na rua. Bem legal.

Eu já viajei muito sozinha e muito com meus pequenos, para mim os destinos por mais adultos que possam parecer podem sempre ser transformados em ótimos destinos infantis. Mas isso não vale para o Japão. As viagens são boas quando nos sentimos acolhidos pelo lugar, e o Japão, definitivamente não acolheu bem meu Antonio.

14 comentários:

  1. Adorei a dica do zip lock, Jô!!
    Sabe que da última vez que viajei com a Duda (já com 9 meses) sofri com o leite em pó americano.Levei pouca quantidade de Nan daqui e tive que complementar com o de lá. Não é a mesma coisa. E fiquei no maior aperto, não sabia qual era o melhor, qual devia comprar... Vou levar muuito leite Nan agora nos saquinhos...ahahah
    Beijosss

    ResponderExcluir
  2. Já eu tive problemas com aqueles potinhos Nestlé. João adorava os daqui, mas quand experimentou os americanos, fez a maior cara feia. Não se adaptou. Nas viagens seguintes cheguei a levar dentro de saquinhos, na mala. Um chumbo, mas pelo menos ele ficava de barriguinha cheia! beijos nas duas!

    ResponderExcluir
  3. Realmente a informação é tudo! E no Japão, o silencio também é, até adultos levam bronca por causa de barulho e pode-se até serem convidados á se retirar do imóvel onde moram. Se mudar mesmo! Até o barulho da faca na tábua de carne incomoda. Em locais públicos tem que se fazer o mínimo de barulho possível e em alguns lugares é proibido ficar com o celular ligado.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Nada a ver tive dois filhos la e nenhum problema eh falta de informação sua

      Excluir
  4. Me desculpe, mas discordo totalmente. Não conheço esse Japão.

    ResponderExcluir
  5. eu morei no japao por 4 anos, e nunca pensei em como seria minha vida com um filho lá...agora q estou voltando (com minha filha) fiquei preocupadissíma com o relato, eu realmente estou assustada.

    ResponderExcluir
  6. Me desculpa mas tem de tudo pra bebês no Japão, só faltou pesquisar mais.

    ResponderExcluir
  7. Morei no Japao por 10 anos e tive meu primeiro filho lah. Lah tem tudo, iclusive a pomada contra assaduras. Hoje moro no Brasil, onde tive minha filha, e sinto saudades dos produtos japoneses. No seu caso, a ajuda de uma nativa-mae teria sido bem vinda.

    ResponderExcluir
  8. Nossa, discordo completamente, achei todos esses produtos em todas as farmácias que entrei, as marcas americanas e marcas japonesas, de boa qualidade e bom preço. E os japoneses foram super receptivos com as minhas crianças, o meu bebê de 9 meses era sempre a atração no metrô, todos vinham sorrir e brincar com ele. Achei o Japão um lugar excepcionalmente bom pra bebês e crianças pequenas, infra-estrutura nota mil pros pequenos.

    ResponderExcluir
  9. Vc estava no Japão mesmo? Nas farmácias do Japão tem tudo. Japão dá banho na Europa e Estados Unidos em estrutura e produtos para a maternidade.

    ResponderExcluir
  10. Talvez você esteve em lugares somente para adultos grandes metrópoles a uns 20 anos Atraz eu diria que realmente as coisas eram dificeis de se encontrar aqui no Japão mas, hoje em dia tudo é muito fácil e prático , as fraldas são muito boas só tem assadura quem compra fraldas ruins !
    Realmente JApones é muito chato pra barulho como se eles fossem mudos rs mas hoje em dia não tem restrição a crianças todos os lugares tem elevadores !
    Produtos pra criança então tem em todo lugar pomada anti e para assadura tem sim com certeza rs várias marcas de fraldas e leite em pó bem especificados por meses idade ...
    hoje em dia tudo é escrito em inglês e em muitos locais português chinês e outras línguas !! Mas eu jamais viajaria com um bebê para lugar nenhum , vou apenas pAra cidades da redondeza e agora que meu filho tem 2 anos e 4 meses vamos nos aventurar viajar para o Brasil pois eu moro no Japão !
    É francamente tenho muito medo de ir com ele para o BRasil já que aqui se ele fica doente sou atendida em 15 M na maioria das clínicas e não preciso marcar horário e também não pago pela consulta e nem pelos remédios , tenho medo do meu país pois atendimento médico sempre foi difícil no Brasil mesmo tendo dinheiro pra pagar já cheguei espertar 2 meses por uma consulta !
    Acho que hoje em dia as pessoas podem se arriscar e vir passear com seus filhos no Japão tem muita coisa para criança basta saber onde ir fazer um roteiro pesquisar usar um telefone e rs está tudo na mão boa viagem ��

    ResponderExcluir
  11. Talvez você esteve em lugares somente para adultos grandes metrópoles a uns 20 anos Atraz eu diria que realmente as coisas eram dificeis de se encontrar aqui no Japão mas, hoje em dia tudo é muito fácil e prático , as fraldas são muito boas só tem assadura quem compra fraldas ruins !
    Realmente JApones é muito chato pra barulho como se eles fossem mudos rs mas hoje em dia não tem restrição a crianças todos os lugares tem elevadores !
    Produtos pra criança então tem em todo lugar pomada anti e para assadura tem sim com certeza rs várias marcas de fraldas e leite em pó bem especificados por meses idade ...
    hoje em dia tudo é escrito em inglês e em muitos locais português chinês e outras línguas !! Mas eu jamais viajaria com um bebê para lugar nenhum , vou apenas pAra cidades da redondeza e agora que meu filho tem 2 anos e 4 meses vamos nos aventurar viajar para o Brasil pois eu moro no Japão !
    É francamente tenho muito medo de ir com ele para o BRasil já que aqui se ele fica doente sou atendida em 15 M na maioria das clínicas e não preciso marcar horário e também não pago pela consulta e nem pelos remédios , tenho medo do meu país pois atendimento médico sempre foi difícil no Brasil mesmo tendo dinheiro pra pagar já cheguei espertar 2 meses por uma consulta !
    Acho que hoje em dia as pessoas podem se arriscar e vir passear com seus filhos no Japão tem muita coisa para criança basta saber onde ir fazer um roteiro pesquisar usar um telefone e rs está tudo na mão boa viagem ��

    ResponderExcluir
  12. Meu Deus, essa mulher so pode ser muito enrolada! No japao tem de tudo!! Discordo totalmente do que ela falou. Japao é dwstino para criança de qualquer idade, desde que os pais nao sejam paspalhos. Pelo amor de deus...

    ResponderExcluir